Submeter Ideia
Topo

Justiça para Tod@s e Vidas Ubuntu

Justiça para Tod@s e Vidas Ubuntu

Há programas que acolhem projetos para unir pessoas, que partilham espaços, que evoluem, que criam novos espaços, que transformam.
São mais que números de sucesso.
É mudança de mentalidades, é abraçar a forma positiva como precisamos olhar e agir. É ensinar a mudar.
É difícil mudar. É mais difícil ainda quando mudar implica ir contra tudo o que se sabe, com que se vive em casa, na escola, na rua. Ir contra o que se conhece.
Mas não só.
Os testemunhos são de quem aprende a ver os outros mas também aprende a ver-se com outros olhos, com menos ‘certezas’ pré-feitas.
Tantas vezes que foram confrontados com comportamentos de outros colegas que não conseguiam entender, que julgaram à semelhança do que, para eles é conhecido.
Saber colocar-se no lugar do outro. Afinal julgar não devia ser assim tão fácil.
O Justiça para Tod@s destina-se aos jovens dos 12 aos 25 anos e visa promover os valores democráticos, através de workshops e jogos de simulação de julgamentos.
Aqui aprendem tudo o que esteja relacionado com um tribunal – do juiz, do magistrado do Ministério Público, do advogado e do sentido e missão de cada um destes organismos e/ou instituições de modo a aproximar os jovens do sistema de justiça e dos princípios do direito aos quais não podem ficar indiferentes. De dar a conhecer os dois lados da moeda a quem, tantas vezes, só se conhece a si próprio como vítima. Sagaz não só na técnica mas também pela abordagem que faz a problemas tão reais quanto atuais – Bullying, Violência no namoro, Linguagem de ódio/intolerância, Violência extremista e crimes de ódio/intolerância, Tráfico de seres humanos, Furto, Roubo, Asilo e Refugiados, Nacionalidade, Liberdade religiosa no contexto laboral, Redes sociais – racismo e xenofobia.
Um projeto. Um programa. Mais que um caso de sucesso. Um caso feliz de mudança de mentalidades. Aprendem todos os que nele se vêm envolvidos.

imagem-2

É poderoso ver a mudança de comportamentos, mais do que mudar ações momentâneas que apenas se espelham num trabalho em concreto, é ver mudar pensamentos, formas de encarar a vida.
É poderoso assistir a esta mudança.
«É aprender a pensar antes de agir, percebes?»
É a gratificação de ser parte de uma mudança positiva.
Substituir o que resulta de um comportamento apreendido pelo meio, com todos os inputs físicos e temporais mas também os emocionais. É substituir o ‘fazer como se vê os outros fazer’. Seja em casa, na rua ou na escola.
Justiça para Tod@s porque Tod@s somos também os outros.

Já o projeto Vidas Ubuntu é uma iniciativa que visa a promoção e defesa dos direitos humanos, e fá-lo a partir do relatar de histórias levando como mote «A minha história pode mudar a forma como vemos o mundo.»
Eu sou porque tu és! É o mesmo que dizer Ubuntu. Um projeto inspirado numa filosofia de vida que, tendo Nelson Mandela como um dos exponentes máximos deste conceito, consiste na capacidade de compreender, aceitar e tratar bem o outro.imagem-1
Propõe a inclusão social de jovens entre os 14 e os 25 anos, na sua maioria proveniente de contextos vulneráveis, recorrendo ao storytelling na primeira pessoa. São histórias vividas por eles próprios. Que contam ao grupo, que as explicam, onde ouvem outras histórias de colegas que, em tantos casos, explicam o outro lado da história que eles próprios viveram. É enquadar, colocar em perspetiva, compreender, consciencializar. Porque só compreendendo se pode aceitar e seguir em frente.
Não é destruir o que têm, é valorizar o positivo, reforçar a sua autoestima e autoconfiança e projetar o seu futuro com base na sua experiência de vida. Todos temos algo a aprender com o outro.

imagem-3

Podem ser projetos separados mas complementam-se. Tocam em tantas partes comuns.
Foi apresentada ontem, na Fundação Calouste Gulbenkian, a 2.ª edição destes dois projetos que pretendem alcançar 7500 jovens e que envolvem mais de 150 escolas de todo o país, centros educativos, estabelecimentos prisionais, com o empenho de mais de 500 professores, técnicos, advogados e juízes.
Estado e sociedade civil a percorrerem o mesmo caminho juntos.

Vão espreitar o que são estes projetos e ver, também, como se está a trabalhar com todos numa Justiça para Tod@s porque somos Vidas Ubuntu!

Justiça para Tod@s

Vidas Ubuntu

Discurso da Ministra da Justiça no lançamento da 2.ª edição dos projetos Justiça para Tod@s e Vidas Ubuntu